“Akasha” é ouro na ginástica rítmica nos jogos Pan-Americanos

“Akasha” é ouro na ginástica rítmica nos jogos Pan-Americanos

"akasha"

“Akasha” é ouro no Pan e surpreende amantes da música eletrônica

Depois de dois bronzes no fim de semana, time brasileiro de ginástica rítmica leva ouro na última prova no Pan ao som de “Akasha” track do Dj Vegas.

 

O ouro chegou para o conjunto brasileiro de ginástica rítmica no Pan 2019. Nesta segunda (5), último dia de competição desta modalidade na cidade sede, Lima, o grupo da seleção canarinho apresentou uma série cravada ao final da prova mista. Vale exaltar o nome das nossas representantes que quebraram tudo e surpreenderam o Brasil ao escolher a consagrada track “Akasha” do nosso querido Produto Nacional Vegas! São elas Beatriz Silva, Camila Rossi, Deborah Medrado, Nicole Pircio e Vitória Guerra.

Link Patrocinado:

 

A nota 24,150 já colocava o Brasil com grandes chances de ouro. O conjunto verde-amarelo ainda entrou com protesto e teve sua nota de dificuldade aumentada em um décimo, ficando com 24,250 depois do recurso.

Link Patrocinado:

 

– “Saímos felizes antes mesmo de saber a nota, porque sabíamos que demos nosso melhor. Conseguimos mostrar o que treinamos muito. Deu tudo certo.” – disse Nicole ao Globo Esporte.

 

+ Doof Festival é cancelado em Israel devido à suposta venda de drogas

 

A escolha desde a Copa do Mundo

A escolha ousada da música-tema chamou atenção da mídia desde o semestre passado durante a Copa do Mundo de Ginástica Rítmica, quando o grupo se apresentou pela primeira vez ao som da track Akasha do álbum Good Things. Na ocasião, o time terminou a competição em 6º lugar, já trazendo um imenso orgulho para os amantes de música eletrônica e para o próprio Vegas que manteve seu apoio constante nas redes sociais:

View this post on Instagram

– Eu não falo apenas por mim, mas sim por todos os artistas de música eletrônica. Nós sempre sofremos muito preconceito no Brasil, seja com ligação as drogas ou por ser algo que ainda não está vinculado à cultura musical do nosso país. As coisas estão mudando, e fico muito orgulhoso em finalmente termos a oportunidade de mostrar o lado bom da música eletrônica. É um sentimento de orgulho saber que seu trabalho ajudou no esporte. Sempre procurei fazer música para ir além do entretenimento, fazer que isso faça parte do cotidiano das pessoas. Imaginei que talvez algum dia algum atleta poderia ouvir minhas produções antes de uma competição para se inspirar ou se concentrar, mas fazer parte de uma competição sinceramente nunca passou pela minha cabeça – disse o DJ. Link da Materia completa nos meus Stories ❤️🇧🇷

A post shared by Vegas Live (@vegaslive) on

Link Patrocinado:

Ficamos tão emocionados quanto o próprio Vegas ao receber essa notícia, a música eletrônica tomando espaço e mostrando que a harmonia dos extremos e a quebra de paradigma, uma vez que tradicionalmente esportes olímpicos que envolvem música tendem a escolha mais óbvia da música clássica. No entanto, nos últimos anos a onda POP e os ritmos alternativos tem dominado a pista das ginastas.

 

Na época em que sua música fora escolhida, Vegas começou a receber mensagens de seus fãs o alertando sobre a novidade. O Dj no entanto custou a acreditar, e mais tarde disse um pouco sobre como se sentia em entrevista ao Globo Esporte:

 

– “Eu não falo apenas por mim, mas sim por todos os artistas de música eletrônica. Nós sempre sofremos muito preconceito no Brasil, seja com ligação as drogas ou por ser algo que ainda não está vinculado à cultura musical do nosso país. As coisas estão mudando, e fico muito orgulhoso em finalmente termos a oportunidade de mostrar o lado bom da música eletrônica. É um sentimento de orgulho saber que seu trabalho ajudou no esporte. Sempre procurei fazer música para ir além do entretenimento, fazer que isso faça parte do cotidiano das pessoas. Imaginei que talvez algum dia algum atleta poderia ouvir minhas produções antes de uma competição para se inspirar ou se concentrar, mas fazer parte de uma competição sinceramente nunca passou pela minha cabeça” – disse o DJ.

 

+ ONG leva crianças deficientes em festivais e raves

 

Enfim, campeões

O Pan chegou, as expectativas em cima das meninas subiram e a “escolha ousada” se manteve, levando o Progressive Trance a mais uma vitória. No final da prova mista do conjunto de arcos e maças o Brasil levou seu tão merecido ouro e dividiu com nosso Produto Nacional:

Comentários
Link Patrocinado:

Avatar

Biólogo, Fotógrafo e aluno do Instituto de Botânica de São Paulo. Atua no Portal Mundo como Editor-Chefe de Redação e Conteúdo e na Tv Mundo como Diretor.