Apreensão de maconha e cocaína no Brasil dispara em relação ao primeiro semestre de 2018

Apreensão de maconha e cocaína no Brasil dispara em relação ao primeiro semestre de 2018

maconha e cocaína no Brasil

O Ministério da Economia divulgou recentemente dados sobre a apreensão de maconha e cocaína no Brasil no primeiro semestre de 2019. Os números confirmam um aumento considerável no uso e na distribuição das substâncias pelo país. As apreensões que se encaixam nos dados foram feitas em portos, aeroportos e demais localizações de fiscalização federal.

 

No primeiro semestre de 2019, foram apreendias 10,2 toneladas de maconha e 25,3 toneladas de cocaína. Se comparado com o ano passado, ambas tiveram um aumento significativo. A maconha teve um aumento de aproximadamente 160% se comparado com 2018. Já a cocaína teve uma alta de 92%.

 

+ Legalização da Maconha reduziu mortes por ópio no Colorado

 

Confira abaixo os dados referentes aos primeiros semestres dos anos de 2017, 2018 e 2019:

 

 

Os números confirmam o que todo cidadão consciente pode notar: está acontecendo uma espécie de popularização destas substâncias, principalmente da cocaína. Sim, você leu certo: a cocaína está se tornando cada vez mais popular no Brasil.

 

Para se ter ideia, até 2015 a maconha liderava o balanço de apreensões com relevante conforto. Por exemplo, em 2014 a Receita interceptou 7,6 toneladas de maconha; uma quantidade muito superior aos 957,8kgs de cocaína.

 

+ Companhias americanas não se mostram preparadas para a legalização da maconha 

 

O veículo GloboNews questionou a Receita Federal sobre este aumento expressivo da quantidade de cocaína apreendida. O órgão afirmou que os procedimentos de controle, vigilância e repressão estão evoluindo em grande velocidade e utilizando como base os pilares de gestão de risco, inteligência e integração com outros órgãos. A Receita afirmou ainda que conta com equipes de servidores treinados que atualmente dispõem de equipamentos adequados (como veículos, câmeras de diversos tipos, scaneres, cães de faro) e instalações privativas de vigilância muito bem equipadas de onde é possível visualizar as operações portuárias (COV – Central de Operações de Vigilância).

 

Siga-nos no Instagram para atualizações diárias

 

Comentários