Mundano usa lama de Brumadinho para pintar mural em homenagem às vítimas

Mundano usa lama de Brumadinho para pintar mural em homenagem às vítimas

mundano pinta mural em homenagem às vítimas de Brumadinho

O artista conhecido como “Mundano” pintou próximo ao Mercadão de São Paulo uma releitura do famoso quadro “Operários” de Tarsila do Amaral, a tinta foi confeccionada com a lama tóxica de Brumadinho.

 

Há pouco mais de um ano, mais especificamente no dia 25 de janeiro de 2019 o desastre de Brumadinho (MG) figurava entre os principais assuntos no mundo. Cerca de 11,7 milhões de m³ de rejeitos da mineradora Vale encobria mais de 270 pessoas, 4000 mil animais e muitos hectares de Mata Atlântica nativa, e essa é só a estimativa.

 

A lama atingiu principalmente o sistema hídrico da região, poluindo profundamente os rios Paraopeba, seus afluentes e o próprio Rio São Francisco.

 

Leia também: Edital aberto da ONU busca projetos para combater poluição nos oceanos

 

Em um vídeo explicativo, Mundano demonstra como foi usada a tinta e qual é o resultado de aproximar um imã da lama de Brumadinho, coletada próximo ao Córrego do Feijão.

 

View this post on Instagram

A tinta que usamos pra pintar a releitura da obra “Operários” da @tarsiladoamaral de 1933 “ é feita com a lama da Vale (@valenobrasil )que coletei em Brumadinho . Peneirei com uma imã dois litros da tinta e olha o que tinha de resíduo minério e como eles se atraem ao ima nesse teste simples. Essa magnetita é que da boa parte da cor da tinta mais escura do mural de mais de 800 metros que pintamos no Mercado Municipal de São Paulo (@mercadaosp ). Agora imagina a quantidade e a força desse metal em 11,7 milhões de m3 de lama tóxica que encobriu cerca de 300 pessoas , 4000 animais e centenas de hectares da Mata Atlântica e áreas verdes que nesse momento se dilui em incontáveis kilómetros pela águas do Rio Paraopeba até o Rio São Francisco . Enquanto isso a Vale gasta em propaganda ao invés de tirar essa lama da sua própria ganância . Justiça ! #brumadinho #releiturasmundanas #lamatoxica #1anodebrumadinho (Edit: Vale salientar que apesar do quantidade de minério a toxicidade são os químicos na água do processo de mineração , afinal o metal já está no solo em estado bruto faz milhares de anos . ) Video: @gregramon93 .

A post shared by MUNDANO (@mundano_sp) on

 

A tinta a base de lama tóxica

 

Para confeccionar a tinta especial, Mundano visitou o Córrego do Feijão, um dos locais mais afetados pela lama da Vale. O artista coletou, segundo o jornal Estado de Minas, cerca de 250 kg de lama do leito do Rio Paraopeba para produzir a tinta.

 

A lama então foi misturada com outros componentes para formar a tinta, como água, cola e base acrílica. O resultado impressionante que, segundo o próprio artista foi um desafio pessoal, são 15 tonalidades confeccionadas com os rejeitos minerais. 

 

+ Exposição gratuita e interativa sobre o Egito Antigo chega em São Paulo

 

O mural “Operários de Brumadinho” que figura na lateral de um prédio no centro de São Paulo possui cerca de 750 m², e foi inspirada na obra “Operários” de Tarsila do Amaral. O painel de Mundano compõe a série #ReleiturasMundanas juntamente de outras três pinturas, todas confeccionadas com tinta à base de rejeitos minerais coletados em Brumadinho.

 

 

O projeto de Mundano

 

Segundo um post do autor em seu instagram oficial, o fato da obra ser confeccionada em São Paulo e não em Minas Gerais e ainda utilizar de recursos públicos para custeio o incomodava.

 

Mesmo assim, abrindo mão do seu cache e complementando o orçamento da operação com recursos próprios, Mundano viu “uma oportunidade única para hackear e fazer uma homenagem potente com um tema de interesse público e que saísse da bolha de São Paulo”.

 

 

Leia também: Mapa mostra onde a violência pode explodir porque não há água suficiente

 

 

“O recurso da Secretaria de Cultura de São Paulo para o projeto foi de 50 mil reais e eles foram essenciais mas insuficientes de tão complexa e custosa que foi a operação toda, e aproveito pra deixar registrado aqui que além de renunciar cachê eu tive que investir recursos próprios pra poder fazer algo dessa magnitude (…)”  “Percebi que o povo paulistano, em sua maioria, é meio alienado sobre o tema mineração e essa cidade em volta do prédio Minerasil onde pintei a releitura foi boa parte construído com minérios oriundos de Minas Gerais.”

 

Mundano lançou no youtube um mini doc que, segundo ele, será legendado em inglês em breve.

 

 

 

 

 

Comentários