Cientistas examinaram esgoto por anos para descobrir quais drogas são mais populares

Cientistas examinaram esgoto por anos para descobrir quais drogas são mais populares

Cientistas passaram anos analisando esgoto de cerca de 60 milhões de pessoas em busca de cocaína, anfetaminas e MDMA, para fazer um mapa abrangente do uso de drogas ilícitas em mais de 30 países.

 

Segundo o estudo, que foi publicado no jornal Addiction, o uso de cocaína está em ascensão na Europa, metanfetamina é a droga mais comum na América do Norte e Austrália, e a Holanda tem a maior taxa de uso de MDMA.

 

“Esse é o maior estudo epidemiológico de esgoto já realizado em termos de cidades (120) e países (37) envolvidos, e de duração de monitoramento (2011-17)”, disse a equipe, coliderada por Iria González-Mariño, professora-assistente de química da Universidade de Salamanca na Espanha.

 

+ Tudo que você precisa saber sobre Ecstasy (MDMA)

 

“O conjunto de dados obtidos para cocaína, anfetaminas, metanfetaminas e MDMA mostrou um retrato abrangente de tendências espaciais e temporais do uso”, González-Mariño e seus colegas disseram no estudo.

 

Procurar resíduos de drogas nos esgotos se tornou um método cada vez mais popular de rastrear padrões do mercado global de drogas ilícitas na última década. Estudos anteriores se focavam em uso de drogas em cidades selecionadas ou durante eventos públicos, como o eclipse solar total de 2017, mas González-Mariño e seus colegas usaram uma abordagem internacional.

 

A equipe usou amostras de esgoto de cidades europeias em 2011, e expandiu a pesquisa para Austrália, Nova Zelândia, Martinicas, Canadá, EUA, Coreia do Sul e Israel de 2014 a 2017.

 

+ MDMA é utilizado com sucesso no tratamento do alcoolismo

+ Vacina contra cocaína é desenvolvida pela UFMG

 

A equipe evitou coletar amostras durante feriados públicos, quando o uso maior que a média de drogas poderia interferir com os resultados, e tentou levar em conta contaminação de drogas prescritas que podiam deixar as mesmas impressões digitais químicas que suas variantes ilegais. Por exemplo, o esgoto de Seattle sugeria um uso especialmente alto de metanfetamina na cidade, mas essa descoberta pode ter sido influenciada por drogas legais prescritas para transtornos de déficit de atenção e hiperatividade.

 

Os resultados mostraram que o uso geral de drogas era mais comum em cidades como Antuérpia, Amsterdã, Zurique, Londres e Barcelona, enquanto cidades na Grécia, Portugal, Finlândia, Polônia e Suécia tinha as taxas mais baixas de resíduos de drogas em seus esgotos.

 

Cocaína era mais popular em Londres, Bristol, Amsterdã, Zurique, Genebra, São Galo e Antuérpia. Anfetaminas pareciam estar em ascensão em Barcelona, Genebra, Berne, Zurique, Dortmund e Berlim, mas o uso de metanfetaminas era bem menor na Europa que nos EUA e Austrália. Enquanto a Holanda tinha as maiores taxas de uso de MDMA, a droga também é popular em Helsinque, Oslo, Bruxelas, Dortmund, Zagreb, Zurique, Genebra e Barcelona.

 

+ Como você pode morrer sob efeito do Ecstasy

 

No geral, os dados mais ou menos se alinharam com outras medições de uso de drogas ilícitas. “Em termos gerais, as conclusões que tivemos analisando esgoto combinaram com outras derivadas de indicadores estabelecidos de uso de drogas, como pesquisas, dados de departamentos de saúde etc.”, González-Mariño disse por e-mail. “A coisa mais interessante da nossa metodologia é que ela fornece os dados quase em tempo real (as amostras são retiradas e analisadas em dias), então conseguimos os resultados ‘antes’ que outros indicadores.”

 

Como exemplo, ela falou de como sua equipe ficou perplexa com um pico de benzoilecgonina, o composto metabólico da cocaína, em cidades europeias de 2016 para 2017. Meses depois, os pesquisadores descobriram que a pureza da cocaína tinha aumentado naquele período, o que poderia responder pelos altos níveis de benzoilecgonina nos esgotos.

 

González-Mariño também analisou amostras de esgoto atrás de sinais de uso de cannabis, mas o ingrediente psicoativo da droga – tetraidrocanabinol (THC) – era mais difícil de identificar nas amostras porque se liga mais facilmente a partículas de água.

 

+ Homem é preso vendendo Ecstasy feito com areia de gato

 

“O protocolo analítico para extrair e analisar [THC] na água tinha que ser melhorado de ano para ano”, disse González-Mariño. “É uma substância difícil de procurar, mas tenho confiança que nossos novos métodos serão bons o suficiente para incluir THC nos nossos próximos estudos.”

 

Esses dados de esgoto são úteis para comunidades para rastrear o fluxo de drogas ilícitas, e antecipar problemas médicos e sociais interligados a elas. González-Mariño e seus colegas esperam expandir sua pesquisa para outras cidades, e talvez começar a testar o esgoto para outras substâncias que afetam a qualidade de vida dos humanos.

 

“Essa metodologia pode ser estendida para acessar hábitos de estilo de vida (como consumo de substâncias legais como álcool e tabaco) e exposição de humanos a poluentes (como plastificantes e pesticidas), então seu campo de aplicação é promissor e não se limita a drogas ilícitas”, ela disse.

 

*Via Vice Brasil

 

Por fim, siga Portal Mundo no Instagram, YouTube e Facebook

 

 [/vc_column_text]

[/vc_column][/vc_row]

Já viu nossos vídeos? Não? Então conheça a TVMundo e desfrute do nosso conteúdo audiovisual!

 

Entrevista com Phaxe – Maori Festival, A Lenda Maui

 

 

Entrevista com Zanon – Maori Festival, A Lenda Maui

 

 

Tem um concurso incrível rolando para o Mundo Psicodélico Festival 2019. Clique e concorra a 4 passaportes + brindes da marca!

 

Comentários