“Death to 2020”: Novo projeto do criador de Black Mirror sobre 2020

“Death to 2020”: Novo projeto do criador de Black Mirror sobre 2020

death to 2020 portal mundo

Um ano após o lançamento da quinta temporada de Black Mirror, o criador e vencedor do Emmy, Charlie Booker, finalmente apresentou sua próxima colaboração com a Netflix: Death To 2020.

 

Charlie Booker então confirmou oficialmente seu próximo *mocumentário* (um tipo de pseudodocumentário que faz paródias e/ou sátiras de eventos famosos) intitulado Death to 2020 em um teaser recém-lançado, confira:

 

 

 

Desde o início da pandemia, muitas pessoas descreveram a situação atual do mundo como mais um episódio de Black Mirror. Então será interessante ver qual dos eventos malucos deste ano Brooker decidiu adaptar para o streaming.

Link Patrocinado:

 

O filme deve pegar pesado nos temas depressivos do ano da pandemia de covid-19. “Nem os criadores de ‘Black Mirror’ conseguiriam inventar este ano”, diz a prévia. “Mas eles tem algo a acrescentar: Morte a 2020”.

 

Leia também:

 

 

 

 

Sobre Death to 2020

Death to 2020 foi  citado primeira vez quando o vencedor do Globo de Ouro Hugh Grant confirmou recentemente para a Vulture que ele assinou contrato para estrelar o novo mocumentário de Brooker, que giraria em torno dos eventos de 2020. Mais detalhes sobre o enredo do projeto e personagens ainda estão sendo mantidos em segredo, mas Grant revela que seu personagem será um historiador com uma bela peruca.

 

“Eu sou muito detestável, na verdade! E vocês vão gostar da minha peruca.”

 

Charlie Brooker, por sua vez, também disse no início do ano que voltaria a “Black Mirror” tão cedo, porque, segundo ele, “o mundo provavelmente não anda com apetite por histórias sobre uma sociedade desmoronando no momento”.

Link Patrocinado:

 

 

Nova Parceria com a Netflix

“Estarei fazendo outra coisa amanha, na verdade. Charlie Brooker escreveu um documentário fictício sobre 2020. é para a Netflix, e eu sou um historiador que está sendo entrevistado sobre o ano” Hugh Grant compartilhou sobre o próximo projeto ao Vulture.

 

Com as colaborações anteriores de Brooker  com a Netflix, é compreensível  que este teaser de Death  to 2020 levasse a fãs a acreditarem em uma possível conexão a Black Mirror de alguma forma, embora os comentários de Grant apontam que o projeto seria mais alegre por natureza.

 

 

Mocumentário: o que é isto?

 

Os documentários possuem um grande destaque mundialmente. Mas existe um gênero dessas produções, chamado mockumentary, também conhecido como mocumentário ou pseudodocumentário.

Link Patrocinado:

 

O mocumentário é um gênero de cinema que teve muito sucesso em alguns países  nas décadas de 80 e 90. Na realidade, não foi  produzido nada deste gênero que tenha chegado ao mainstream.

 

O mocumentário é uma espécie de jogo entre quem cria o filme e quem o assiste. Trata-se de uma sátira misturada com jornalismo. Faz parte do jogo dos mocumentários,  que aconteçam níveis distintos de suspensão da crença: há pessoas que acreditam completamente no filme, sem perceber a sátira; outras percebem uma paródia ao jornalismo e uma crítica a algum acontecimento real; e outras ainda encaram essas obras como comédias desconectadas da realidade.

 

Portanto, uma mentira deliberadamente travestida de verdade.

 

Ou ainda uma narrativa inventada que recorre aos recursos de linguagem normalmente tomados como verdade, como o depoimento de peritos, o modelo de entrevista e a formalidade dos jornalistas.

 

Mas seria, por isso mesmo, o mocumentário um exemplo de fake news, enquadrando-se no que hoje chamamos de pós-verdade?

Link Patrocinado:

 

 

A trajetória de uma farsa

Em 1938, o cineasta estadunidense Orson Welles interrompeu a programação musical da rádio CBS para noticiar uma suposta invasão de extraterrestres. O modo como Welles narrou os fatos foi tão verossímil que parte dos ouvintes acreditou que a ameaça reportada fosse real.

 

No cinema, o marco dos pseudodocumentários foi o filme “Holocausto Canibal” (1980), longa rodado na Amazônia pelo diretor Ruggero Deodato e escrito por Gianfranco Clerici. Esta produção inaugurou os chamados filmes found footage (gravação encontrada, numa tradução livre). Quase vinte anos mais tarde, em 1999, o estilo alcançou o seu ápice com “A Bruxa de Blair”, sucesso de bilheteria e crítica.

 

Hoje em dia, os mocumentários estão presentes em diversas plataformas de conteúdo audiovisual e são consumidos como produtos de entretenimento que faz críticas à sociedade como Modern Family (2009) e Distrito 9 (2009).

 

 

Anda não há informações sobre a estreia de Death to 2020.

 

 

 

 

 

 

Comentários
Link Patrocinado:

Avatar

Cineasta ,produtora audiovisual e apaixonada por tudo que envolve as 7 artes. Atua como membro da Redação do Portal Mundo.