Perigos da maconha prensada, danos e formas de redução de danos

Perigos da maconha prensada, danos e formas de redução de danos

Os perigos e riscos da maconha prensada e formas de redução de danos

Os perigos da maconha prensada – ou não -, são diversos e variam de usuário para usuário, por isso é essencial conhecer estratégias de redução de danos com maconha.

 

Se pensarmos a “maconha brasileira”, a famigerada maconha prensada, todos os possíveis danos são potencializados devido à mistura de outras coisas e substâncias.

 

Por isso existem estratégias de redução de danos que podem colaborar para o usuário conviver de forma positiva com o uso da planta.

 

 

Primeiramente, entenda que danos ou consequências negativas devido ao uso da maconha podem variar bastante de usuário para usuário. Alguns usuários experientes passaram por múltiplos danos e sequelas. Outros, poucos ou nenhum. Mas, certamente, ao se fumar a maconha prensada as chances de danos e sequelas são potencializadas.

 

+ Usuários de maconha buscam alívio e não apenas “barato”, aponta estudo

+ Efeitos do ecstasy: perigos mortais e estratégias de redução de danos

 

Os perigos da maconha prensada e estratégias reducionistas 

 

Entenda antes de mais que a maconha vendida no Brasil traz uma mistura imensurável de sujeiras e substâncias tóxicas que podem causar danos ainda piores ao usuário. Existem registros de “mistura” na maconha como: café, urina, esterco, solução de bateria, partes de animais e árvores e até mesmo crack. Além disso, como os traficantes não têm cuidado no manuseio, a maconha prensada traz o risco de contaminação por bactérias e fungos.

 

Para amenizar as substâncias tóxicas que serão ingeridas e aliviar possíveis contaminações, primeiramente busque lavar a maconha prensada. Com a lavagem, boa parte da sujeira será filtrada – ainda estará bem longe do ideal, mas é um começo. Para aprender como lavar maconha prensada, clique aquiA segunda estratégia para diminuir as substâncias tóxicas ingeridas é o uso de piteiras.

 

+ México se aproxima da legalização total da maconha

 

Outro possível dano da maconha é  no funcionamento cognitivo do cérebro. Ele pode ser perturbado nas regiões associadas à aprendizagem como atenção, concentração, memória, organização e senso de tempo. Atividades que dependem dessas funções – como lição de casa acadêmica e exames – podem estar distorcidas 24 horas ou mais após o uso. Após um período de uso diário de maconha, pode ser um mês ou mais para o cérebro voltar ao funcionamento normal.

 

Para reduzir os perigos e os danos da maconha prensada às funções cognitivas, evite utilizar a erva antes de atividades que exigem funcionamento cognitivo intacto como lição de casa, provas e exames, aulas e outras. Da mesma forma, não use no dia ou na noite antes de um compromisso importante. Tente também usar quantidades menores e com menos frequência, assim como tire dias ou semanas para reduzir o THC acumulado em seu corpo. 

 

+ Mulheres que fumam maconha têm orgasmos melhores, segundo estudo

 

Danos da maconha: reações psicológicas e a mistura com outras substâncias

 

Reações psicológicas negativas à maconha podem incluir ansiedade, paranoia, um sentimento de perda de realidade, alucinações e ser inundado por perturbadores pensamentos. Pessoas com depressão e/ou ansiedade devem estar cientes de que a maconha pode causar sintomas piores. Algumas pesquisas sugeriram que a maconha pode causar esquizofrenia em pessoas vulneráveis. Da mesma forma, a maconha pode reduzir a eficácia dos antidepressivos e outras medicações psicofarmacêuticas.

 

+ Cidade americana vai distribuir kits de redução de danos para usuários de drogas

 

Para evitar os danos mencionados, não misture maconha com outras drogas – incluindo álcool, que pode intensificar os efeitos negativos. Use a maconha somente em local seguro, com confiança e rodeado de amigos. Converse com seu médico sobre como seus medicamentos podem interagir com a maconha. Por fim, faça uma pausa para determinar se está interferindo a capacidade de sua medicação para trabalhar devidamente.

 

+ Com doença degenerativa, general Villas-Boas defende uso medicinal da maconha

+ MDMA: redução de danos e guia para uso menos danoso

 

Funções motoras e dependência

 

Ao fumar maconha, nossas funções motoras ficam comprometidas e o tempo de reação é retardado. Por isso, existe um aumento no risco de acidentes durante a condução e utilização de máquinas. Recentemente, estudos mostraram que os motoristas cuja concentração de THC no sangue são 5ng/ml – implicando o uso de maconha nas últimas 1-3h – equivale a um risco elevado de acidente em comparação com motoristas livres de drogas. Da mesma forma, o uso simultâneo de álcool e maconha aumenta significativamente o risco de acidente em comparação com o consumo de uma ou outra substância sozinha.

 

+ Legalização da maconha no Uruguai causou prejuízo milionário ao tráfico

+ Tudo que você precisa saber sobre Ecstasy: história e redução de danos 

 

Por isso, não conduza ou opere máquinas enquanto fuma ou após fumar maconha. Espere pelo menos 3h após o último uso antes de dirigir ou operar maquinário perigoso. Um dos princípios da redução de danos com maconha é que você também tenha responsabilidade. 

 

Síndrome de abstinência como um dos perigos da maconha

 

A síndrome de dependência de maconha ocorre em uma estimativa de 10% dos usuários. O risco aumenta conforme o uso se intensifica. A síndrome pode interferir no trabalho, no desempenho escolar, em relacionamentos e no humor. Pode reduzir a criatividade, causar problemas de auto-estima e resultar em exclusão social. A dependência física ao uso de maconha é sim possível, e os usuários podem experimentar sintomas de abstinência conforme o uso é cortado.

 

+ Redução de danos para fumantes: piteiras de papel, madeira ou murano?

+ Loló e Lança perfume: perigos e redução de danos

 

Contra os últimos sintomas, mantenha um uso controlado de maconha como forma de redução de danos. Por isso, seja específico e rígido consigo mesmo sobre como deseja se posicionar em relação ao uso da erva (quantas vezes, quando, onde, por quê?). Como já citado, busque fazer uma pausa de 30 dias para limpar o seu organismo da maconha. Depois, passe a dialogar com o seu desejo. Pergunte a si mesmo se o momento se encaixa nos padrões que definira anteriormente. Analise suas razões para querer mudar, mantendo-se assim sempre motivado. Identifique o que está desencadeando o desejo de usar: estresse?, mágoas?, conquistas?, etc; a partir disso, considere abordagens diferentes no intuito de gerenciar melhor as suas motivações.

 

+ Maconha sem cheiro pode se tornar realidade

 

Maconha e redução de danos: doenças infecciosas e alternativas 

 

Ainda, doenças infecciosas podem ser passadas na saliva e se espalhar pelo dispositivo de fumo. Por isso, evite compartilhar baseados ou bongs. Mas se for compartilhar, evite que o baseado toque seus lábios ao fumar. E para bong, limpe-o antes de tragar.

 

Problemas pulmonares como congestão pulmonar, tosse, bronquite crônica e alterações pré-cancerígenas estão relacionados ao ato de fumar. Para isso, coma produtores de maconha ou beba o chá de cannabis para eliminar os danos relacionados ao ato de fumar. Mas tenha cuidado. Nesta forma, é mais difícil avaliar a quantidade ingerida e desta maneira os efeitos podem durar mais assim como podem ser mais intensos.

 

+ Menina de 13 anos cria empresa que vende óleo dede maconha para crianças doentes

+ Conheça os cristais de THCA: a forma mais pura de THC no mundo 

 

Por fim, visto os perigos da maconha prensada, não a misture com tabaco. Apesar de ser tentador visto que faz render mais, você estará apenas potencializando os danos ao seu corpo.

 

*Algumas informações foram retiradas e adaptadas do capítulo 19, “The Pot Book: A Complete Guide to Cannabis”, do livro “Harm Reduction Psychotherapy” sem tradução para o português até a publicação desta matéria , de Andrew Tatarsky. 

 

Siga Portal Mundo no Instagram, YouTube e Facebook

•  Já viu nossos vídeos? Não? Então Conheça a TVMundo e desfrute do nosso conteúdo audiovisual!

 

Entrevista com Ventania – Mundo Psicodélico Festival 2018

 

 

Entrevista com Mandragora – Mundo Psicodélico Festival 2019

 

 

 

Comentários